24 ago 13

WeChat e a Praça (virtual) do Povo

IMG_2122

O que a Praça do Povo, no centro de Shanghai, tem em comum com o WeChat?

No coração de Shanghai, a Praça do Povo (人民广场 , em pinyin Rénmín Guǎngchǎng) é o espaço público central da cidade com várias lojas, museus, escritórios, restaurantes e cafés ao redor. Todos os domingos pela manhã acontece o “mercado do casamento”. Centenas de cartazes são expostos por pais à procura do parceiro ideal para o seu filho ou filha. Há, também, a possibilidade de o próprio interessado fazer, pessoalmente, a sua propaganda por lá. Diz-se que um anúncio custa mais de três dólares para ser exibido por cinco meses. Não me pareceu haver qualquer tipo de controle ou gerenciamento organizado destes anúncios quando por lá estive.

E o que o WeChat tem a ver com isto? O WeChat (Em chines: 微信. Em pinyin: Wēixìn,  literalmente, “micro mensagem”) é também um ambiente de encontro, só que virtual. Lançado em janeiro de 2011 pela Tencent, empresa cuja sede situa-se em Shenzhen, o WeChat é hoje o aplicativo de comunicação de mensagens de voz e texto via celular mais popular da China. Estima-se que possui mais de 400 milhões de usuários. São dois “Brasis”. E está revolucionando a forma dos jovens chineses fazerem amizades e, eventualmente, encontrarem a sua cara-metade. Basta dar um “shake” ou “look around” para localizar um alvo perto de você e enviar um simpático 你好吗? (“Ni Hao Ma?”). Mais discreto, simpático e instantâneo do que a Praça do Povo, o WeChat dá aos jovens o protagonismo na busca do parceiro sem a intermediação dos pais.

16 ago 13

Citação – Bao Dike

“O mercado imobiliário criou a maior parte da classe média, e o setor imobiliário produziu o maior grupo de pessoas ricas na China”. Bao Dike, editor sênior da PKU Business Review, sobre um relatório que afirma que 15 por cento dos multimilionários na China são especuladores imobiliários.

12 ago 13

Citação – Zhang Yiwu

“Os caracteres chineses são ideogramas e carregam a essência da cultura chinesa. A caligrafia é uma importante forma de tocar essa essência. Como resultado, devemos escrevê-los e senti-los”. Zhang Yiwu, professor de literatura chinesa da Universidade de Beijing.

27 jul 13

Citação – Li Xiaodong

“Nós não vamos seguir o que o Ocidente vem fazendo porque os problemas que enfrentamos são diferentes. E quando você encontra a resposta certa para o seu próprio problema, você tem o seu próprio estilo”. Li Xiaodong – arquiteto ganhador de vários prêmios internacionais.

26 jun 13

Citação – Ren Zhiqiang

“Por que nós temos que, todo tempo, estudar os discursos das autoridades ao invés da lei?” Ren Zhiqiang, Presidente da estatal Hua Yuan Real Estate Group, sobre a urgência de tornar a governança chinesa baseada no Estado de direito (rule of law) e não na lei do homem (rule of man).

11 jun 13

Citação – Chas Freeman

“A introdução do capitalismo foi necessária para salvar a China, mas o capitalismo já não pode prescindir da China. A China é essencial para a economia global; ela não pode ser isolada ou contida”. Chas Freeman, embaixador estadunidense aposentado.

09 jun 13

China, USA and the Soft Power

Blog_Yin_Yang[China.EUA]

Last week, the two most powerful men on planet met. Three months after his tenure, Xi Jinping went to the United States of America (USA) invited by Obama. It is a noteworthy fact. After all, their predecessors – Jiang Zemin and Hu Jintao – made their first trips to USA only a few years after having assumed the Chinese Government. Obama welcomed Xi in Sunnylands, California. The place was inviting and relaxing (http://sunnylands.org). A wide range of bilateral, regional and global affairs were on the table. Cyber Security, the Koreas, Iran, Syria, Middle East, Central Asia, economic and financial crisis, WTO trade disputes and the environment were possibly part of breakfasts, lunches and dinners’ menu. However, the main purpose was to establish a good personal relationship between them in order to allow discussions on ways of cooperation and management of the differences in a more effectively way for the next years. It is a valid effort.

China’s economic rise and its relationship with the USA have evoked several debates on world’s future. Many wonder if the two countries will enter into deliberate conflict or will be able to establish a relationship of peaceful cooperation. As mankind’s history is marked by war and peace, such a question has its relevance assured.

Looking for answers, analysts are leaning over data highlighting the power of these two Nations for this century. On one hand, the so-called hard power and, on the other, the soft power.

02 jun 13

EUA, China e o soft power

Blog_Yin_Yang[China.EUA]

Nesta semana, nos dias 6 e 7 de junho, os dois homens mais poderosos do planeta vão se encontrar. Após três meses de sua posse, Xi Jinping irá aos EUA a convite do Obama. Fato digno de nota. Afinal, os seus antecessores – Jiang Zemin e Hu Jintao – fizeram suas primeiras viagens aos EUA somente alguns anos após terem assumido o governo chinês. Obama recepcionará Xi em Sunnylands, na Califórnia. O lugar é convidativo e relaxante (http://sunnylands.org). Mas a ampla gama de assuntos bilaterais, regionais e globais perturbam o sono dos dois chefes de Estado. Cyber segurança, as Coreias, Irã, Síria, Oriente Médio, Ásia Central, crise econômica e financeira, conflitos comerciais na OMC e meio ambiente, devem compor o cardápio dos cafés, almoços e jantares. O objetivo principal, contudo, é estabelecer um bom relacionamento pessoal entre eles que permita discutir formas de cooperação e de gestão das diferenças de maneira mais eficaz para os próximos anos. O esforço é válido.

A ascensão econômica da China e sua relação com os EUA têm suscitado inúmeros debates sobre o futuro do mundo. Muitos se perguntam se os dois países entrarão em conflito deliberado ou se saberão estabelecer uma relação de cooperação pacífica. Dado que a história da humanidade é marcada por guerra e paz, fazer tal indagação tem a sua pertinência garantida.

Na busca de respostas, analistas se debruçam sobre dados que evidenciam o poder das duas nações para este século. De um lado, o chamado hard power e, de outro, o soft power.

02 jun 13

Citação – Xi Jinping

“Como diz um ditado chinês, um homem sábio muda à medida que o tempo e os eventos mudam. Devemos abandonar a mentalidade ultrapassada, romper com os velhos limites que restringem o desenvolvimento e liberar todo o potencial para o desenvolvimento”. Xi Jinping, Presidente da China, em discurso no Boao Forum for Asia Annual Conference, em 7 de abril de 2013.