A China e o Mundo

24 maio 20

Chinese assistance a humanitarian obligation

Coronavírus: sintomas de novos pacientes com Covid-19 na China ...

Artigo publicado no China Daily, em 27 de abril de 2020.

China’s fight against the novel coronavirus outbreak has proved effective. Still, there are people in other countries who think China took too long to act, but this is not entirely true. We have to understand that when a new epidemic threat arises, recognizing the danger is not immediate. There is a time for medicine, and a time for politics.

A book, Le Peur en Occident, written by Jean Delumeau in 1978, reconstructs the social effects of a pandemic. The reconstruction is based on the various epidemic cases in history. The first effect is that of “the denial of the authorities”. The authorities’ neglect to take action is frequent in the history of pandemics. And there are several justifications for that: they do not want to scare the population, they do not want to interrupt relations with the outside world, or even are afraid to face the situation.

Yet though the outbreak was first reported in Wuhan, Hubei province, the fact is that the municipality’s public health committee alerted the World Health Organization on Dec 31, when the city had only 27 cases of infection.

16 fev 20

China transmite lições no combate ao coronavírus

Resultado de imagem para china coronavírus

O inesperado surto do novo coronavírus (Covid-19) na cidade de Wuhan, na província de Hubei, na China, é o maior desafio enfrentado pelo governo de Xi Jinping no âmbito doméstico desde que assumiu a Presidência do país em 2013. Em meio a essa fatalidade, a China tem mostrado para o mundo não só a eficiência do seu modelo de governança, mas, também, um senso de responsabilidade à altura de sua grandeza econômica.

Contrastando com o modo como a China lidou com a epidemia da Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave) no fim de 2002, o governo atual agiu rápido e foi transparente na batalha contra o coronavírus. A primeira ação deu-se no âmbito político.

As duas principais lideranças chinesas fizeram o que se espera de governantes sérios diante de uma situação dramática em seu país. De um lado, o primeiro-ministro Li Keqiang foi à cidade de Wuhan para visitar pacientes e médicos e tomar medidas urgentes; de outro, o presidente Xi Jinping reuniu-se, em Pequim, com o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, ciente da necessária cooperação multilateral. Ambos concordaram com o envio de especialistas internacionais à China para se unir aos colegas chineses e trabalhar na solução da crise e orientar os esforços de resposta global.

Tais atos discrepam dos países cujos governantes são insensíveis às catástrofes ocorridas em seu próprio território ou que desprezam as organizações internacionais.

O mundo parece reconhecer que o modelo de governança da China tem mostrado o seu valor para gerir uma situação de emergência em um país com quase 1,4 bilhão de pessoas.

21 dez 19

Brasil de Bolsonaro e relação com a China

A relação do Brasil sob a presidência do Bolsonaro com a China tem sido um tema presente desde o final de 2018 durante a eleição. O segundo semestre deste ano de 2019 foi decisivo para a relação bilateral em razão da visita do Bolsonaro à China e a do Xi Jinping ao Brasil no contexto da XI Cúpula do BRICS. Em entrevista para a Sputnik pude falar deste tema e, também, da guerra comercial dos EUA contra a China e seus impactos sobre o Brasil. A entrevista pode ser acessada clicando aqui.

 

18 nov 19

Longa entrevista para a CGTN sobre o BRICS (2019)

Compartilho com vocês a longa entrevista que dei para a CGTN (China Global Television Network) no programa Diálogo e que teve como tema a Cúpula do BRICS no Brasil. O programa foi gravado no mês passado em Beijing e está em português e em espanhol. Foi a mais completa exploração do tema que tive oportunidade de fazer na mídia para esta Cúpula. Clique aqui ou na imagem para acessar o vídeo. 

03 out 19

Sobre as manifestações em Hong Kong

Resultado de imagem para hong kong chinaAs manifestações em Hong Kong ganham o noticiário nas mídias ocidentais. Sobre este assunto há diversas visões e muitas delas enviesadas seja por desconhecimento do contexto histórico e atual, seja por estarem comprometidas com certas posições políticas. Tenho procurado expor meu ponto de vista visando esclarecer o que está em jogo a partir dos fatos. A EBC me entrevistou em agosto de 2019 e pude expor minha opinião. Esta entrevista ficou mais completa se comparada a minha participação no Fantástico da Rede Globo. A entrevista está disponível clicando aqui.

23 ago 19

Manifestações em Hong Kong

O Fantástico (Rede Globo) do dia 18 de agosto de 2019 veiculou matéria sobre as manifestações de Hong Kong e que contou com a minha participação como entrevistado. (Assista à matéria clicando aqui). A entrevista, feita em minha casa, demorou quase meia hora. Abordei diversos aspectos e lados da questão. Naturalmente, o tempo de exposição na TV é curto e as falas são inseridas no contexto da narrativa do editor. O tema é complexo e exige muita atenção para não sermos levados à conclusões orientadas por uma predisposição de julgar positivamente ou negativamente a China. No trato deste tema, é importante ter o conhecimento da Lei Básica de Hong Kong e, sobretudo, ter em conta o que estabelece o artigo 1 da Lei: “A Região Administrativa Especial de Hong Kong é uma parte inalienável da República Popular da China”. As manifestações em Hong Kong contrárias à aprovação do projeto de lei de ‘extradição’ devem ser resolvidas pela autoridade de Hong Kong. Mas, caso as manifestações redundem em demandas por independência, o governo central de Beijing poderá intervir com as forças armadas. Esta ação não seria descabida em razão do artigo 1 mencionado. 

Na sexta-feira, 23 de agosto de 2019, dei uma entrevista para a Xinhua News sobre o mesmo tema. Se publicarem a maior parte dos meus comentários, será uma matéria mais completa sobre como entendo esta questão de Hong Kong e espero compartilhar aqui no meu blog.

06 ago 19

O Cinturão e Rota na América Latina e o Brasil

 

No mês de abril passado pude participar, em Beijing, da inauguração do Belt and Road Studies Network(BRSN), um empreendimento do Instituto Xinhua e mais quinzethink tanks, que tem o objetivo de promover estudos e intercâmbios acadêmicos sobre a iniciativa Cinturão e Rota. O evento ocorreu uma semana antes do 2º Fórum do Cinturão e Rota para a Cooperação Internacionalque teve lugar também na capital chinesa e que reuniu 37 chefes de estado e de governo, além de diversas organizações internacionais. Foi, para mim, uma oportunidade para entender melhor o alcance e a importância da iniciativa, bem como a disposição do governo chinês de promovê-la de maneira aberta ao diálogo.

A expressão “Cinturão e Rota” é a forma abreviada do Cinturão Econômico da Rota da Seda e da Rota da Seda Marítima do Século 21. Ambas as iniciativas foram propostas por Xi Jinping durante a sua visita à Ásia Central e ao Sudeste Asiático, no fim de 2013, e visam criar um equivalente do século XXI da antiga Rota da Sedaque data de mais de 2000 anos atrás e que conectava, através de diversas rotas comerciais e trocas culturais, as principais civilizações da Ásia, Europa e África. Mas agora os tempos são outros e a evolução tecnológica pode fazer nascer uma nova rota global da seda.

29 abr 19

Light of Wisdom – Belt and Road

A Xinhua produziu um belíssimo documentário intitulado “Light of Wisdom – Belt and Road” que foi transmitido pela CCTV durante os dias do “2nd Belt and Road Forum for International Cooperation“, em abril deste ano. O documentário abordou o tema do Cinturão e Rota sob a perspectiva de 14 especialistas de várias partes do mundo. Fiquei muito honrado em ser um deles. Foi uma semana de gravação no Rio com a equipe de filmagem. Fizemos filmagem nos meus locais de trabalho, em Copacabana, no Jardim Botânico, na Vista Chinesa na floresta da Tijuca, na Praia do Flamengo e até em meu apartamento. Uma experiência muito gratificante. E as imagens que fizeram do Rio estão belíssimas, sobretudo aquelas com uso de drones. Espero que gostem. A minha parte tem início aos 29 minutos do episódio. Para assistir clique aqui (também disponível no YouTube clicando aqui) ou na imagem acima.

28 abr 19

40 anos de reforma e abertura

A revista China Hoje está no seu quarto ano de publicação e em todas as edições publico uma coluna abordando assuntos relacionados à China. Na edição 22 (janeiro/fevereiro) abordei os 40 anos da reforma e abertura da China que foram comemorados no ano de 2018. O texto integral pode ser acessado clicando aqui ou na foto acima que foi tirada quando visitei, no final do ano passado, a exposição em Guangzhou sobre a evolução da China de 1978 até os dias de hoje. Segurando a pá está a escultura (muito bem feita, por sinal) do Deng Xiaoping, o arquiteto da reforma e da abertura da China para o mundo.

Boa leitura!

28 abr 19

Palestra no YouTube: A Nova Era da China e o Sonho Chinês

No dia 26 de março de 2019 participei do ECOA PUC-Rio que teve como tema a CHINA! Parabéns à PUC pela iniciativa e foi um prazer participar do evento que tem um formato parecido com o TED. Eu tinha 15 minutos para falar sobre o tema que escolhi: “A Nova Era da China e o Sonho Chinês”.  Um pouco de China contemporânea, de filosofia chinesa, história, sociedade e cultura. No link vocês terão acesso a todas as palestras que foram feitas no dia. Vale a pena assistir a todas. Mas se quiser ir direto para a minha palestra, é só clicar aqui ou na imagem acima e ir direto para às 07h:04m:50s do vídeo.

Espero que gostem!