Arquivo

28 Nov 15

Xi Jinping e Obama construindo o século XXI

obama-xiEm setembro deste ano de 2015 o Presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado aos EUA e reuniu-se com o Presidente Barack Obama. Trata-se do encontro das duas maiores economias do mundo. Não é um fato trivial. O futuro do mundo depende, cada vez mais, do entendimento entre estas duas potências na definição de padrões de comportamento e regras internacionais que balizarão a competição mundial no campo do comércio, das finanças, da tecnologia etc., sem deixar que as questões mais controversas conduzam o mundo inteiro para o abismo.

Quando a administração Obama, em 2012, redefiniu a política externa estadunidense dando ênfase à Ásia Oriental, explicitou para todos os países uma tendência já percebida pelos analistas mais atentos: o centro do mundo se deslocava da Europa e Oriente Médio para a região onde a influência do então Império do Meio, torna-se, hoje em dia, um caminho sem volta. Desde então, estudiosos e autoridades procuram compreender esta nova realidade. Dois grandes eixos de reflexão disputam a narrativa deste século: o primeiro é influenciado por uma mentalidade típica da Guerra Fria e vê a ascensão chinesa como uma ameaça para o mundo. Os defensores desta perspectiva confiam aos EUA o direito de ser o fiador último da paz mundial e apoiam a continuidade do modelo atual de organização da sociedade internacional; o outro eixo de reflexão, sem negar os riscos que há em toda relação entre gigantes, entende que o renascimento econômico da China contribui para o fortalecimento de um mundo multipolar – condição verdadeira para uma ordem internacional mais pacífica. Os defensores deste ponto de vista apoiam a reforma das instituições internacionais a fim abranger mais atores com capacidade decisória a fim de aplacar as atuais e futuras tensões internacionais.

A premissa do primeiro eixo é que o conflito EUA-China será inevitável se nada se fizer para conter a China; já para os que se filiam ao segundo eixo, a cooperação mais estreita entre as duas grandes potências é o caminho necessário para a paz já que a ascensão chinesa – e não o conflito – é inevitável. Independentemente da preferência por uma ou outra narrativa, o fato comum entre elas é que o futuro dos demais países está atrelado, em maior ou menor grau, às decisões tomadas pelas duas potências, seja isoladamente ou bilateralmente.

O Brasil precisa acompanhar atentamente a relação sino-estadunidense. Leia mais

09 Jun 13

China, USA and the Soft Power

Blog_Yin_Yang[China.EUA]

Last week, the two most powerful men on planet met. Three months after his tenure, Xi Jinping went to the United States of America (USA) invited by Obama. It is a noteworthy fact. After all, their predecessors – Jiang Zemin and Hu Jintao – made their first trips to USA only a few years after having assumed the Chinese Government. Obama welcomed Xi in Sunnylands, California. The place was inviting and relaxing (http://sunnylands.org). A wide range of bilateral, regional and global affairs were on the table. Cyber Security, the Koreas, Iran, Syria, Middle East, Central Asia, economic and financial crisis, WTO trade disputes and the environment were possibly part of breakfasts, lunches and dinners’ menu. However, the main purpose was to establish a good personal relationship between them in order to allow discussions on ways of cooperation and management of the differences in a more effectively way for the next years. It is a valid effort.

China’s economic rise and its relationship with the USA have evoked several debates on world’s future. Many wonder if the two countries will enter into deliberate conflict or will be able to establish a relationship of peaceful cooperation. As mankind’s history is marked by war and peace, such a question has its relevance assured.

Looking for answers, analysts are leaning over data highlighting the power of these two Nations for this century. On one hand, the so-called hard power and, on the other, the soft power. Leia mais

30 Abr 13

Democracia Chinesa

Blog.Democracia

O Partido Comunista Chinês (PCCh) é o único partido da China. Correto? Errado. A resposta surpreende muitos de nós que desconhecemos o sistema e os processos políticos internos na China. Além do PCCh, há mais oito partidos considerados democráticos. São eles: Comitê Revolucionário do Kuomintang Chinês, Liga Democrática da China, Associação da Construção Nacional Democrática Chinesa, Associação Chinesa para a Promoção da Democracia, Partido Democrático dos Camponeses e Trabalhadores Chineses, Partido Zhi Gong da China, Sociedade Jiu San e Liga do Governo Democrático de Taiwan. Somados, estes partidos contam com mais de 850.000 filiados. Parece muito, mas não é. Este número corresponde a apenas 1% do número de membros do PCCh.

O que estes oito partidos têm em comum? Leia mais

25 Mar 13

O Direito em alta na China

Xi_e_Li

A China está sob nova direção. Nos dias 14 e 15 de março, a Assembleia Nacional Popular (ANP) elegeu Xi Jinping e Li Keqiang para os cargos de Presidente e Primeiro Ministro, respectivamente. Na China há troca de comando, portanto. Este fato é tão relevante para o mundo quanto a eleição do Presidente dos Estados Unidos. Afinal, estamos falando da segunda maior potência global que conta com 20% da população do mundo.

Leia mais